sexta-feira, agosto 09, 2013

sábado, outubro 27, 2012

sexta-feira, outubro 12, 2012

Nosso Amor


Nosso Amor

 

Eu te amo tanto, meu amor, mas tanto,

com o encanto de um amor primeiro,

mas que bem sei, é o último, porquanto,

meu coração, tomaste-o por inteiro!

 

Um coração que pulsa no meu peito

mas sinto, amor, que já  não é mais meu

porque o reconquistaste de um tal jeito

que mesmo estando em mim, é todo teu!

 

E a esse amor que é meu, é teu, é nosso,

me entrego por inteiro, corpo e alma

pois nele me renovo,  me refaço

- é bálsamo, é vida, é chama, é calma...

 

- amor que a vida sufocou outrora,

mas que revive, e ainda mais forte, agora!

 

(Eloah Borda – D.A.Reservados)

 

terça-feira, julho 10, 2012

Nossa música


  

 Nossa Música

A nossa música... faz tanto tempo...
mas lembro ainda, como se hoje fosse
- nós dois, a música, o luar, o sonho,
e eu, tão feliz, envolta nos teus braços!...
À nossa volta, o mundo eclipsou-se,
parou o tempo... a vida era só nossa,
éramos nós, o amor, e a canção,
que ficaria, pra sempre, gravada
na minha alma e no meu coração.


Depois, de mim, a vida te levou,
e o mundo continuou no seu girar,
indiferente à dor de tua ausência...

Os sonhos, desfizeram-se no tempo.
as noites de luar... melancolia...
o nosso amor, uma saudade infinda!

Mas nossa música, eu a trago ainda,
aconchegada no meu coração,
como a mais doce e bela melodia,
que há de ser sempre, amor, nossa canção!

(Eloah Borda)

quinta-feira, maio 17, 2012

Dor de Amor

            
                                                         
Dor de Amor

Quando um grande amor se vai,
magoando, profundamente,
nossa alma e coração,
pior do que a dor recente,
por mais que seja pungente,
é quando, ela já cansada,
de doer dentro da gente,
se torna resignada,
num doer indiferente,
difuso, vago, constante,
sem ferir nem ir embora,
e apenas se faz presente,
não sendo mais contundente,
mas também sem nos deixar
- como a espessa neblina
que nem se transforma em chuva
e nem deixa o sol brilhar...

(Eloah Borda)

sexta-feira, abril 27, 2012

Monotonia

Monotonia

Os dias passam... lentos... sempre iguais...
nem bons, nem maus. – iguais - monotonia...
a mesma espera, inútil e vazia
- e por que ainda espero, nem sei mais...

Talvez, o rebrotar da poesia,
em meu gretado chão de desencantos,
pra que eu transforme, em versos, meus quebrantos,
podendo, assim, sair desta apatia...

E que, outra vez, a vida me sorria,
me encante a chuva e o sol de cada dia,
e voltem pássaros aos meus beirais;

e que este nada que me dói no peito,
ceda lugar a um coração refeito,
e que a tristeza não me encontre mais...

(Eloah Borda)

sexta-feira, janeiro 13, 2012

Introversão


Introversão

Recolho-me ao silêncio... Caminho
sobre os meus próprios passos,
na direção do meu eu...
Afasto-me dos teus espaços,
já não te busco, não te procuro,
pelos estranhos caminhos
onde te ocultas,
e onde ficaram jogadas,
as palavras de amor que te ofertei,
perdidas nos versos,
que tolamente te escrevi,
e que, talvez,
jamais os tenhas lido,
e jamais tenham tido,
importância para ti...

Recolho-me ao silêncio,
encerro-me dentro de mim,
e ficarei assim,
até que esta dor passe,
eu possa renascer
das minhas cinzas,
e ainda ouse
sonhar...

(Eloah Borda)

quinta-feira, janeiro 05, 2012

Esse Amor...


Esse Amor...

Esse amor adolescente,
lá dos longes do passado,
- um romance inacabado
que, em nós, ficou latente...

Esse amor que, de repente,
da saudade ressurgido,
qual Fênix, renascido,
rebrota dentro da gente -

é o mais belo sentimento
é sonho, é encantamento,
que ao tempo sobreviveu...

...esse amor, que vem de outrora,
para nos mostrar no agora,
que ainda sou tua e que és meu...



(Eloah Borda)



quarta-feira, novembro 30, 2011

Saudades da Infância!



Saudades da Infância!

Minha saudade tem manhãs douradas,
com um sol bem grande, ainda sonolento,
se espreguiçando lá no horizonte
e já sorrindo para um novo dia;
tem passarada lá no arvoredo
belos gorjeios ao amanhecer!

Minha saudade tem gosto de manga,
cor de pitanga, cheiro de araçá,
de pão caseiro, de café com leite,
pipoca doce, bolo de fubá...

Minha saudade tem olhar perdido
num céu de nuvens brancas de algodão
a desenharem estranhas figuras
a deslizarem pela amplidão...

Minha saudade tem dias cinzentos,
tamborilar de chuva no telhado,
cheiro gostoso de terra molhada,
bolo de chuva, rosto na vidraça
na inquieta espera da volta do sol,
para poder brincar nas poças d’água,
- jogar barquinhos feitos de jornais,
e ouvir o alvoroço dos pardais....

Minha saudade tem campos floridos
tem pés brincando na água da sanga
ou saltitando entre o milharal
- tem sol poente lindo de morrer,
lanche gostoso ao anoitecer...

Minha saudade tem cama fofinha,
lindas histórias, toque de carinho,
de mãos de mãe... Tem beijo de boa noite
de “dorme bem, amor, Deus te abençoe,
e que te guarde o Anjo Protetor”
na voz mais doce que alguém pode ouvir
- e esta é a mais bela e a maior saudade
que há de me acompanhar à eternidade.

(Eloah Borda - D.A.Reservados

terça-feira, novembro 29, 2011

Devaneios


Devaneios

Rolar nos campos de tua primavera
das flores absorver perfume e cor
e, assim, meio mulher e meio flor
ser colhida por ti – ah, quem me dera!

Repousar nos teus braços – fantasia! -
despetalar carícias no teu peito,
espargir meu perfume no teu leito,
ser tua flor, mulher e poesia!

Ser teu poema vivo, o mais ousado
- um poema de amor e de loucura,
escrito entre lençóis de seda pura,
e que seja, no instante, eternizado...

- Mas são só devaneios, meu amado,
anseios de um amor que me é negado...

(Eloah Borda - D.A.Rerservados)