quarta-feira, outubro 29, 2008

A Pipa


A PIPA

Menino descalço
na ventania
desdenha o rigor
da manhã fria,
de queixo empinado
o olhar enlevado
seguindo no espaço
a dança multicor
da fantasia
as mãos manobrando
o cordel esticado
- controle remoto -
ponte pênsil
sobre os pilares do vento.

E no alto azul
a pipa presa
na ponta do cordel
vai e vem,
gira, coleia, revoluteia,
vibra, luta, puxa,
tentando libertar-se
como potro apanhado no laço,
como peixe no anzol.

E como também tu, menino,
em luta por espaço,
preso ao invisível fio
do teu Destino.

Téia Borda de Lima
Poetisa pelotense.
Membro do CLIPE – Centro Literário Pelotense
.

Origem da imagem: Aqui

Um comentário:

Michèle Sato disse...

oi Eloah
eu tb não sei viver sem a poética... e como vc, adoro pipas, papagaios e tudo aquilo que a gente lança no céu como se o horizonte pudesse trazer a sinfonia da vida em mvoimento...

adorei seu blog
e tb adoro minha família!
agora tenho-a como parceira de poesia, quiçá amiga, algum dia

beijoca
*