sábado, janeiro 17, 2009

Há Dias...













Há dias
de alegria pura,
dias de ternura,
plenos de luz,
em que me sinto um sol,
mesmo que chova a cântaros lá fora...
Dias
em que me sinto primavera,
toda cores, flores, céu azul
canto de pássaros,
não importa a estação
- são dias em que o amor
canta em meu coração!

Há dias
em que me sinto um tórrido verão,
mesmo que seja rigoroso inverno...
São dias quentes, intensos,
que me queimam,
devoram-me por dentro
- são fogo, são chamas,
são dias de paixão!

Há dias
de melancolia, de recolhimento,
de introspecção,
em que a tristeza me invade
e eu me sinto
paisagem outonal,
árvore desfolhada,
cercada de folhas secas
revoltas pelo vento
- minhas recordações,
momentos meus,
redemoinhando
no meu pensamento,
tão perto e, no entanto,
tão distantes...
... são meus dias de saudade...

Há dias
em que o frio
do mais duro inverno,
penetra em minha alma,
enregela o meu coração
- são dias de desencanto,
desamor, desilusão...


E há dias
bem mais duros
- tensos, pesados,
escuros -
em que sou apenas
perplexidade...
São os dias
em que não posso evitar
de olhar de frente,
cara à cara,
para esse mundo caótico
que aí está,
com suas guerras, miséria, fome,
seus crimes hediondos,
sua ganância, mentiras, corrupção,
insensibilidade...
Dias
em que eu já nem sei mais quem sou
- quem, ou o que somos todos nós,
humanos desumanos -
ficando a me perguntar,
se não serei apenas
personagem
de meus próprios pesadelos...

(Eloah Borda-D.A.Reservados)

2 comentários:

Fatima disse...

Oi, Elô, tudo bem? Eu agora estou no ócio,férias do trabalho e da facul, é tudo de bom! Mas com este calorzão, fugi pra praia e quase não entro na internet. Seu poema é lindo, como sempre!Os anteriores tb, Infância é show.Bom fim de semana.
Beijus.

Thiago Gonzaga disse...

Estes são dias realmente desumanos, dias sem poesia.